Coisas da Vida

Olá seja bem vindo! Este blog nada mais é do que um espaço do qual sem pretensões ou empáfia, compartilho de coisas que vejo, coisas que ouço, coisas que vivencio, nesta jornada existencial!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Jesus um Deus humano!


Natal, que alegria, que esperança que mensagem nova ele trás? 25 de dezembro, o dia certo? Só por grande acaso; saber o dia não aumentaria a sua glória. Se os reis trouxeram-lhe presente ou não, se foi outono, inverno, primavera ou verão também não tem muita importância. O que importa na verdade é o sentido transformador deste dia, visto que a partir do nascimento de Jesus o mundo não seria mais o mesmo.
            Quando imagino a sena do nascimento do menino Jesus, fico maravilhado! Pois vejo nesse nascimento a revelação do amor de Deus. Um Deus que desceu do seu trono de glória e se fez criança, que foi cuidado por um casal de humanos, que teve fome, que chorou; Um Deus conosco! Pois escrito está: “ Eis que a virgem conceberá, e dará luz um filho, e o chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, que traduzindo é: Deus conosco.” (Mateus 1.23). É, humano assim como Jesus só pode ser Deus mesmo, isso é maravilhoso de mais para mim. Pois, há medida que Jesus estava em Deus, mais se divinizava, e quanto mais Deus estava em Jesus, mais se humanizava.
            Foi nessa humanidade pequena e irrisória do homem de Nazaré, que Deus quis se revelar. Não apesar dela, mas através dela. Por isso o nascimento de Jesus cristo anuncia a benevolência e o amor incondicional de Deus aos homens. Jesus é EMANUEL “Deus conosco” por conhecer os dilemas de nós seres humanos em sua pele, em sua carne. Em Jesus, Deus sentiu o que sentem os seres humanos e nos compreendeu como seres humanos, é por isso que foi derramada sobre nós a sua graça.
            Pensar no natal de Cristo é pensar em um novo começo, é pensar em uma história de libertação, é pensar em uma história do amor de Deus, que se revela como EMANUEL, para salvar as nossas vidas, trazendo sentido à nossa existência humana.
            Que a cada dia possamos sentir a graça do EMANUEL, e que essa presença nunca falte em sua vida e em sua família todos os dias. Á todos um Feliz Natal, e que Jesus seja sempre o EMANUEL de sua vida!
                                                                                                                                          Rogério Pinheiro

domingo, 11 de dezembro de 2011

Por um mundo melhor

Disse Jesus: “vós sois o sal da Terra...”, sal que da sabor, sal que tempera, sal que conserva...
É necessário entendermos que a nossa vida é vida para o outro, para a nossa casa comum que é o nosso planeta, dos quais fomos chamados para saborearmos e darmos sabor.
Sucintamente podemos dizer que o sentido do nosso planeta e da nossa existência conscienciosa é sermos a imagem de Deus. De um Deus que cuida, que ama, que ver a beleza de sua criação e diz “ah, é muito bom...” e que ensina a nos relacionarmos com tudo e com todos, pois o planeta, o universo é constituído por teias de relações de forma que um vive pelo outro, para o outro e com o outro. Pois, tudo é relação e nada existe fora da relação, portanto a lei mais universal é a sinergia, a colaboração, a solidariedade, a comunhão e a irmandade, por isso vamos cuidar de todo o mundo, vamos cuidar uns dos outros, por um mundo melhor.
Por: Rogério Pinheiro

video
 video: http://www.youtube.com/watch?v=Plym52bVkVg

sábado, 10 de dezembro de 2011

Uma nota de esclarecimento sobre o natal

O Natal tem sido combatido por estranhos cristãos. Alegam que o Natal é a festa pagã do culto ao Sol. Conclusão precipitada. Tendo que escolher uma data, escolheu-se aquela porque se considera que Cristo é o sol da justiça (Ml 4.6). Combatem a árvore de natal, dizendo-a resquício do culto pagão às árvores. Esquecem que a Bíblia se abre e fecha com a presença de uma árvore (Gn 3.9 e Ap 22.14). Mas o estranho é guardarem festas judaicas, que se tornaram festas pagãs, com o advento de Cristo, sendo coisas passadas, à luz de Colossenses 2.16-17.
O cristianismo e a Bíblia expressam as verdades de Deus na cultura do povo, não em uma cultura angelical. Os quatro títulos duplos que aplicamos a Jesus, em Isaías 9.6 ("Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz"), eram usados na sagração do novo Faraó, no Egito. O profeta os aplicou a Jesus. O domingo, dia do Senhor, era o dia do culto ao Sol, na mitologia de alguns povos europeus. Mas foi o dia em que Cristo ressuscitou.
Não é preciso negar ou modificar tudo porque se descobriu um aspecto que não corresponde ao que pensávamos. Isto é insensatez: jogar tudo fora por causa de uma parte. Meio entendimento é pior que nenhum entendimento. Principalmente se produz estabanamento intelectual.
Natal não é festa pagã. Isto soa como falta de inteligência. É a comemoração do nascimento de Jesus. Se a data não foi 25 de dezembro, qual é o problema? A Páscoa, quando se comemora a morte de Cristo, cada ano cai num dia. Mas não invalida a morte vicária de Cristo.
O legalismo e a postura de alguns em reinventar e redescobrir o evangelho são atitudes negativas. Pergunte-se a um cristão sincero, não desses cheios de empáfia que descobriram que todo mundo fez tudo errado até hoje, o que ele comemora no dia 25 de dezembro. Ele dirá: "O nascimento de Jesus". Na falta de data específica, ficou-se com esta. Qualquer outra suscitaria uma crítica de alguém. Que critiquem.
O erro não é comemorar o nascimento de Jesus. O erro é trocá-lo por Papai Noel, é olhar o aspecto apenas humano e sentimental da ocasião e esquecer o aspecto espiritual. Por isto, comemore o Natal. Com gratidão a Deus. Louve-o por seu Filho, Jesus Cristo, nosso Salvador.
Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Estou cansado - Ricardo Gondim

Como Pastor, devo confessar que realmente nos cansamos mesmo, por isto concordo com este texto do Pr. Ricardo Gondim. 

Cansei! Entendo que o mundo evangélico não admite que um pastor confesse o seu cansaço. Conheço as várias passagens da Bíblia que prometem restaurar os trôpegos. Compreendo que o profeta Isaías ensina que Deus restaura as forças do que não tem nenhum vigor. Também estou informado de que Jesus dá alívio para os cansados. Por isso, já me preparo para as censuras dos que se escandalizarem com a minha confissão e me considerarem um derrotista. Contudo, não consigo dissimular: eu me acho exausto.Não, não me afadiguei com Deus ou com minha vocação. Continuo entusiasmado pelo que faço; amo o meu Deus, bem como minha família e amigos. Permaneço esperançoso. Minha fadiga nasce de outras fontes.

Canso com o discurso repetitivo e absurdo dos que mercadejam a Palavra de Deus. Já não agüento mais que se usem versículos tirados do Antigo Testamento e que se aplicavam a Israel para vender ilusões aos que lotam as igrejas em busca de alívio. Essa possibilidade mágica de reverter uma realidade cruel me deixa arrasado porque sei que é uma propaganda enganosa.

Cansei com os programas de rádio em que os pastores não anunciam mais os conteúdos do evangelho; gastam o tempo alardeando as virtudes de suas próprias instituições. Causa tédio tomar conhecimento das infinitas campanhas e correntes de oração; todas visando exclusivamente encher os seus templos. Considero os amuletos evangélicos horríveis.

Cansei de ter de explicar que há uma diferença brutal entre a fé bíblica e as crendices supersticiosas.Canso com a leitura simplista que algumas correntes evangélicas fazem da realidade. Sinto-me triste quando percebo que a injustiça social é vista como uma conspiração satânica, e não como fruto de uma construção social perversa. Não consideram os séculos de preconceitos nem que existe uma economia perversa privilegiando as elites há séculos. Não agüento mais cultos de amarrar demônios ou de desfazer as maldições que pairam sobre o Brasil e o mundo.

Canso com a repetição enfadonha das teologias sem criatividade nem riqueza poética. Sinto pena dos teólogos que se contentam em reproduzir o que outros escreveram há séculos. Presos às molduras de suas escolas teológicas, não conseguem admitir que haja outros ângulos de leitura das Escrituras. Convivem com uma teologia pronta. Não enxergam sua pobreza porque acreditam que basta aprofundarem um conhecimento “científico” da Bíblia e desvendarão os mistérios de Deus. A aridez fundamentalista exaure as minhas forças.

Canso com os estereótipos pentecostais. Como é doloroso observá-los: sem uma visitação nova do Espírito Santo, buscam criar ambientes espirituais com gritos e manifestações emocionais. Não há nada mais desolador que um culto pentecostal com uma coreografia preservada, mas sem vitalidade espiritual. Cansei, inclusive, de ouvir piadas contadas pelos próprios pentecostais sobre os dons espirituais.

Cansei de ouvir relatos sobre evangelistas estrangeiros que vêm ao Brasil para soprar sobre as multidões. Fico abatido com eles porque sei que provocam que as pessoas “caiam sob o poder de Deus” para tirar fotografias ou gravar os acontecimentos e depois levantar fortunas em seus países de origem.

Canso com as perguntas que me fazem sobre a conduta cristã e o legalismo. Recebo todos os dias várias mensagens eletrônicas de gente me perguntando se pode beber vinho, usar “piercing”, fazer tatuagem, se tratar com acupuntura etc., etc. A lista é enorme e parece inexaurível. Canso com essa mentalidade pequena, que não sai das questiúnculas, que não concebe um exercício religioso mais nobre; que não pensa em grandes temas.

Canso com gente que precisa de cabrestos, que não sabe ser livre e não consegue caminhar com princípios. Acho intolerável conviver com aqueles que se acomodam com uma existência sob o domínio da lei e não do amor.

Canso com os livros evangélicos traduzidos para o português. Não tanto pelas traduções mal feitas, tampouco pelos exemplos tirados do golfe ou do basebol, que nada têm a ver com a nossa realidade. Canso com os pacotes prontos e com o pragmatismo. Já não agüento mais livros com dez leis ou vinte e um passos para qualquer coisa. Não consigo entender como uma igreja tão vibrante como a brasileira precisa copiar os exemplos lá do norte, onde a abundância é tanta que os profetas denunciam o pecado da complacência entre os crentes.

Cansei de ter de opinar se concordo ou não com um novo modelo de crescimento de igreja copiado e que vem sendo adotado no Brasil.Canso com a falta de beleza artística dos evangélicos. Há pouco compareci a um show de música evangélica só para sair arrasado. A musicalidade era medíocre, a poesia sofrível e, pior, percebia-se o interesse comercial por trás do evento.

Canso de explicar que nem todos os pastores são gananciosos e que as igrejas não existem para enriquecer sua liderança. Cansei de ter de dar satisfações todas as vezes que faço qualquer negócio em nome da igreja. Tenho de provar que nossa igreja não tem título protestado em cartório, que não é rica, e que vivemos com um orçamento apertado. Não há nada mais desgastante do que ser obrigado a explanar para parentes ou amigos não evangélicos que aquele último escândalo do jornal não representa a grande maioria dos pastores que vivem dignamente.

Canso com as vaidades religiosas. É fatigante observar os líderes que adoram cargos, posições e títulos. Desdenho os conchavos políticos que possibilitam eleições para os altos escalões denominacionais. Cansei com as vaidades acadêmicas e com os mestrados e doutorados que apenas enriquecem os currículos e geram uma soberba tola. Não suporto ouvir que mais um se auto-intitulou apóstolo.Sei que estou cansado, entretanto, não permitirei que o meu cansaço me torne um cínico.

Decidi lutar para não atrofiar o meu coração.Por isso, opto por não participar de uma máquina religiosa que fabrica ícones. Não brigarei pelos primeiros lugares nas festas solenes patrocinadas por gente importante. Jamais oferecerei meu nome para compor a lista dos preletores de qualquer conferência. Abro mão de querer adornar meu nome com títulos de qualquer espécie. Não desejo ganhar aplausos de auditórios famosos.Buscarei o convívio dos pequenos grupos, priorizarei fazer minhas refeições com os amigos mais queridos. Meu refúgio será ao lado de pessoas simples, pois quero aprender a valorizar os momentos despretensiosos da vida.

Lerei mais poesia para entender a alma humana, mais romances para continuar sonhando e muita boa música para tornar a vida mais bonita. Desejo meditar outras vezes diante do pôr-do-sol para, em silêncio, agradecer a Deus por sua fidelidade. Quero voltar a orar no secreto do meu quarto e a ler as Escrituras como uma carta de amor de meu Pai.

Pode ser que outros estejam tão cansados quanto eu. Se é o seu caso, convido-o então a mudar a sua agenda; romper com as estruturas religiosas que sugam suas energias; voltar ao primeiro amor. Jesus afirmou que não adianta ganhar o mundo inteiro e perder a alma. Ainda há tempo de salvar a nossa.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Coisas da Vida

"Já escondi um amor com medo de perdê-lo,
Já perdi um amor por escondê-lo,
Já segurei nas mãos de alguem por estar com medo,
Já tive tanto medo ao ponto de não sentir minhas mãos.
Já expulsei pessoas que amava da minha vida,
Já me arrependi por isso....
Já passei noites chorando até pegar no sono,
Já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos...
Já acreditei em amores perfeitos,
Já descobri que eles não existem....
já amei pessoas que me decepcionaram,
Já decepcionei pessoas que me amavam...
Já passei horas na frente do espelho,
Tentando descobrir quem sou,
Já tive certeza de mim,
ao ponto de querer sumir ...
Já menti e me arrependi...
Já falei a verdade e tambem me arrependi....
Já fingi não dar importância as pessoas que amava,
Para mais tarde chorar quieta em meu canto....
Já sorri chorando lágrimas de tristeza,
Já chorei de tanto rir...
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena,
Já deixei de acreditar nas que realmente valiam....
Já tive crises de risos quando não podia...
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns,
Outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para desagradar outros...
Já senti muita falta de alguem,
Mas nunca lhe disse.
Já gritei quando devia calar.
Já calei quando devia gritar...
Já contei piadas e mais piadas sem graça,
Apenas para ver um amigo feliz...
Já inventei histórias de final feliz, para dar esperança a quem precisava....
Já sonhei demais,
Ao ponto de confundir com a realidade...
Já tive medo do escuro,
Hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali"....
Já caí inumeras vezes,
Achando que não iria me reerguer,
Já me reergui inumeras vezes, achando que não cairia mais...
Já liguei para quem não queria,
Apenas para não ligar para quem realmente queria....
Já corri atrás de um carro,
Por ele levar alguem que eu amava embora.
Já chamei pela mãe no meio da noite,
Fugindo de um pesadelo, mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda....
Já chamei pessoas próximas de "amigo", e descobri que não eram,
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada,
E sempre foram e serão especiais para mim....
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!...
Não me façam ser o que não sou,
Não me convidem a ser igual,
Porque sinceramente sou diferente!....
Não sei amar pela metade,
Não sei viver de mentiras.
Não sei voar com os pés no chão....
Sou sempre eu mesma,
Mas com certeza não serei a mesma para sempre....
Com o tempo aprendi que o que importa não é o que você tem na vida, mas
QUEM você tem na vida....
E que bons amigos são a familia que nos permitiram escolher.
Gosto de cada um de vocês de um jeito especial e único....."    Clarice Lispector